Terapias
Tui ná
Pesquisa

Tui ná

Princípios fundamentais de Tui-na

Tui Na –Parte essencial da Medicina Tradicional Chinesa. Esta forma de massagem procura através de massagens desbloquear a circulação de energia assim como estimular os pontos situados ao longo dos trajetos dos canais energéticos (meridianos) que passam pelo corpo humano sem a utilização de agulhas (Acupuntura), sendo a origem de várias técnicas de massagem conhecidas atualmente. Tui-na é praticada principalmente nos problemas de nucas, dores lombares e dos 4 membros.

A técnica apresenta excelentes resultados quando aplicada em crianças. Muitas vezes a pressão dos dedos em pontos específicos pode acalmar e aliviar desconfortos e dores de uma criança. Com a mesma filosofia da acupuntura tradicional chinesa, o do-in tem a vantagem de não utilizar agulhas e sim as pontas dos dedos em pontos estratégicos. A técnica é aplicável em problemas corriqueiros e muito usada por aqueles que sofrem de enxaqueca, cólicas intestinais, diarréia e dores de estômago.

Efeitos de Tui Na

Equilibrar funções de órgãos. A medicina chinesa deve-se mudanças funcionais do corpo humano como desequilíbrio de funções de seus órgãos. A técnica de Tui-na visa encontrar o equilíbrio e harmonia entre as funções desses órgãos a fim de ter solução de problemas doentes e manter a saúde.


Massagem Tui Na

Tui-na tem por objetivo equilibrar o fluxo de energia do nosso organismo, alargar o seu fluir, caso esteja em quantidade reduzida; eliminá-la, caso esteja com exesso; ou tonificé-la, caso esteja enfraquecida. E, é só a partir do equilíbrio da energia que se consegue atingir a saúde plena, em todas as suas vertentes.


Massagem Tui Na

Trafegando pelas linhas elétricas da estrutura corporal (chamadas meridianos), o Tui-na dispersa o excesso de energia concentrada e revigora as partes enfraquecidas. Desbloqueia canais obstruídos e libera fluxos de sangue e energia. Reativa a circulação, devolvendo sua capacidade máxima de funcionamento e contribuindo diretamente para o melhor desempenho dos órgãos.

Comente essa publicação